logotype

 Tipos de Viola

 

Dos tipos de violas conhecidos estudaremos os dois encontrados com maior freqüência em nosso Estado: a viola paulista e a angrense ou do litoral. Nossa pesquisa cingiu-se apenas ao Estado de São Paulo. Quanto ao litoral paulista, tivemos a preocupação de estudar a zona litorânea mui ligada ao nosso. Assim sendo, Angra dos Reis e Parati (Estado do Rio de Janeiro) foram visitados e observados por causa de suas constantes ligações com Ubatuba e no sul até Paranaguá (Estado do Paraná) pelas suas relações com Cananéia e romeiros que vêm anualmente até Iguape.

 

Dos outros dois tipos nos referimos a eles pelo fato de termos conhecido em mãos de migrantes de Estados de Goiás (um baiano que lá morou) e de um boiadeiro matogrossense, que nos facilitou um exame detido em sua viola cuiabana. Tipo idêntico ficamos conhecendo no Museu Paulista que seu diretor, Dr. Sérgio Buarque de Holanda, há pouco trouxe de Cuiabá. Sua caixa sonora é escavada na madeira, e a tampa de trás é colada com cola vegetal.

 

Em nosso estudo chamaremos de viola paulista àquela encontrada no interior de nosso Estado nos sítios e fazendas estudados e viola Angrense, ou melhor, do litoral, àquela encontrada no litoral paulista e cidades do vale do Ribeira. Será melhor chamarmos de viola do litoral, porque em novembro de 1947, estivemos em Angra dos Reis e constatamos que com o falecimento de antigo fabricante das afamadas violas angrenses, não há mais quem as fabrique naquela cidade sul-fluminense. Ficou no entanto, o tipo. E no sul do Estado, em Cananéia, no bairro de Guaxixi, encontramos um fabricante, cujas violas são absolutamente do tipo angrense, já nosso conhecido. Os dois tipos de viola: paulista e do litoral, que pertenciam à nossa coleção de instrumentos de música, hoje figuram na Seção de Folclore recentemente organizada no Museu Paulista pelo etnólogo Prof. Herbert Baldus.

 

Vamos tentar descrever os dois tipos de viola, onde ressaltaremos as diferenças marcantes, como seja: construção, dimensões, número de cordas e material utilizado para as cordas.

 

Tipos de bocas de violas paulistas,
 feitas à mão em Tatuí, SP.

 

A viola é um instrumento cordofônio, em que as cordas comunicam sua vibração ao ar. É feita de madeira, compõe-se de uma caixa sonora e uma haste que é popularmente chamada de braço.

 

Chamaremos de viola Paulista àquela cuja espessura de caixa de ressonância não excede de 7 centímetros, usa dez cordas, ou melhor, cinco cordas duplas, elementos característicos encontrados nos municípios estudados.

 

Os informe sobre a construção da viola, nome das peças, madeiras empregadas e afinações foram dados pelo Sr. Zico Brasiliano Brandão. O informante é caboclo, natural de Tatuí. tem 37 anos de idade e a sua profissão é fabricante de viola e consertador de máquinas de costura. Dentre os 818 violeiros entrevistados com suas violas, desde 1935 até a presente data, este fabricante de violas é o que maior número de afinações conhece, sendo um ótimo violeiro. Seu pai foi fabricante de violas e um dos mais afamados violeiros e cururueiros do sul do Estado. Contou-nos seu filho que ele conhecia cerca de 25 afinações. Seu filho não apenas herdou "a veia artística", mas também é o seu continuador na fabricação do instrumento. Sua fabriqueta nada mais tem do que uma banca de carpinteiro, as formas para colar os aros e as ferramentas, destacando-se um bom canivete. Fabrica violas de encomenda, conserta instrumentos de corda, e quando tem um bom número de violas prontas, faz viagens para Apiaí, ltararé, Estrada Mayrink-Santos, Botucatu, Avaré, Itapetininga, vendendo os seus instrumentos. Afirma ser bem recebido em todas os lugares onde vai, nunca tendo despesas porque as pessoas do sítio fazem questão de hospedá-lo a fim de que os alegre com suas musicas.

 

Nas suas viagens, Zico sempre leva sua viola de 14 cordas, cuja caixa de ressonância é feita com a carcaça de tatu, o que provoca admiração dos caboclos. Volta depois de ter vendido todos os seus instrumentos. No Estado do Paraná, são muito conhecidas as afamadas violas de Tatuí.

 

 

Zico Brandão, o "Rei da Viola" de Tatuí.

 

 

 

 

As grandes fábricas de instrumentos da Capital Bandeirante também fabricam violas, havendo o tipo "standard", bem acabadas e bonitas, estreitas, mas não gozam da preferência de nosso caboclo. A industrializada, "standard" é pequena, caixa estreita. A que serve para as exibições nos palcos e rádio, são do tamanho de violões, sendo que a disposição dos trastos é diferente, geralmente estas violas são de cedro ou jacarandá da Bahia.

 

A viola paulista tem tamanhos diferentes, porém, guardando sempre uma espessura pequena de caixa, em contraste com a do litoral que tem uma caixa muito larga, igual a largura do violão. Zico Brasiliano Brandão, mostrou-nos as formas dizendo serem 8 tamanhos distintos.

 

O fabricante de violas de Santa Isabel, sr. Lourenço Marques, disse-nos só fazer 3 tipos: pequeno, médio e grande, embora saiba que há intermediários entre esses tamanhos.

 

Em Piracicaba existiam alguns fabricantes de violas. Nessa "Capital do Cururu" o tipo de viola preferido foi o "mochinho". Juca Violeiro fabricou muitas violas Os melhores "môchos" que conhecemos são de sua lavra. José Barbosa, "modinheiro" dos melhores, é um fabricante de violas. Recentemente inventou fazer a caixa sonora de suas violas de latão. No "Centro de Folclore de Piracicaba" tivemos oportunidade de examinar um exemplar. Afina muito bem, porém, o som é metálico. Alguns cururueiros afirmaram que é muito alta sua afinação, o que os dificulta e cansa cantar a noite toda com tal instrumento.

 

O tamanho número um, conhecido por Machete ou Machetinho, é o menor, 4 cordas e geralmente usado pelas crianças. Afirma o sr. Zico que antigamente fazia muitos "machetinhos", hoje, porém, depois que apareceu o cavaquinho industrializado, não há mais encomendas.

 

Compramos para nossa coleção um machetinho no mercado municipal de Paraibuna. O sr. Juvêncio de Sales fabrica, usando canivete, barbante para enformar e cola vegetal. Os furos para cravelha são feitos a fogo. A madeira usada é a "criuvinha".

 

A viola de tamanho número dois, pouco maior do que o "machetinho", também não tem saída, somente quando uma moça quer ser violeira é que encomenda.

 

Um duo genuinamente roceiro

(Sertanejo e Sertaneja)

 

 

 

 

 

As de número 3 e 4 raríssimamente feitos em Tatuí são os "Mochinhos". São muito procuradas em Piracicaba pelos seus cururueiros. Alguns exemplares desses mochinhos figuram na rica coleção de violas do "Centro de Folclore de Piracicaba", por iniciativa de seu secretário executivo, Prof. João Chiarini.

 

A de número cinco ou média é a mais procurada, portanto, são as mais comuns, assim afirmou o sr. Zico Brandão, de Tatui e o mesmo disse o sr. Lourenço Marques, de Santa Isabel.

 

A viola de tamanho número 6 é bastante procurada pelos violeiros pretos. Afirma sr. Zico Brandão: quando vejo um preto me procurar para "apissui" uma viola, já nem mostro as pequenas, já sei e logo vou dando deste tamanho".

 

As de número 7, geralmente, são para 12 cordas. O entrevistado afirmou: só baiano é que gosta delas". Para os nossos caboclos, qualquer nortista que fale arrastado do "x" é baiano.

 

A de número 8 é a maior de todas, tendo um metro de comprimento.

 

Sendo a viola média, de número 5 a mais comum, vamos dar as suas dimensões: 75 centímetros de comprimento. Caixa de ressonância, 35 centímetros, braço 20 centímetros e palheta 20 centímetros. A altura da caixa de ressonância, 5,5 centímetros próximo ao braço e 6,5 noutra extremidade. Boca, 5,5 centímetros de diâmetro.

 

2018  Casa dos Violeiros