logotype

Hipocondríaco
Contada por Clélio Vianna (Irmão do Cleber Vianna).

 

Não tem nada pior do que ser hipocondríaco num país que não tem remédio.

Eu tomo um remédio para controlar a pressão.

Cada dia que eu vou comprar o dito cujo, o preço aumenta.

Controlar a pressão é mole. Quero ver é controlar o preção.

Tô sofrendo de preção alto.

O médico mandou cortar o sal.

Comecei cortando o médico, já que a consulta era salgada demais.

Controlei também a alimentação.

Como a única coisa que tenho comido, depois do Fome Zero, é minha patroa, não tem perigo: Ela é a coisinha mais sem sal deste lado do mundo.

Para piorar, acho que tô ficando meio esquizofrênico. Sério! Não sei mais o que é Real.

Principalmente quando abro a carteira ou pego extrato no banco. Não tem mais um real.

Sem falar na minha esclerose precoce. Comecei a esquecer as coisas:

Sabe aquele carro? Esquece! 

Aquela viagem? Esquece!

Tudo o que o barbudo prometeu? Esquece!

Podem dizer que sou hipocondríaco, mas acho que tô igual ao meu time: nas últimas.

Bem, brasileiro é assim mesmo, já nem liga mais para bala perdida.

Entra por um ouvido e sai pelo outro ...

 

2018  Casa dos Violeiros