logotype

Mauro Albert

Violeiro

 

Mauro Albert, músico compositor, nascido em 1976, Curitiba (PR), iniciou seus primeiros estudos em meados da década de 80 na cidade de São Paulo, de maneira autodidata. A guitarra e o violão o atraíram pela sonoridade harmônica e melódica. Aos 13 anos, começou a tocar profissionalmente na noite. Bares, bailes e casas noturnas faziam parte da sua rotinade trabalho, e freqüentemente deitava-se após o sol nascer.

Nessa época, por volta de 1991, dividia sua residência entre São Paulo-SP e Florianópolis-SC. Foram anos em ensaios, shows, estúdios, e também, nesta fase, a pedidos de amigos, começa a dar aulas de música. Como professor trabalhou em vários conservatórios e escolas de música de São Paulo. Em estúdio gravou vários jingles, bandas e artistas solos. Em shows, pode-se citar: TRY, covers de guitarristas como Joe Satriani, Steve Morse, Eric Jonhson e outros, III Milênio (SC), o duo com o cantor Renato Viviani (SP), Tríade com o violonista e cantor Marcoliva e o percussionista Brother (SC), a parceria que se estenderia por muitos anos com o violonista Carlos Paiva, além da banda gospel Katsbarnéa e o trabalho com a banda japonesa Cristal Waters que se apresentou em varias casas do Japão.  


Mauro Albert - Ao Vivo


Marco Oliva, Tatá Cobbett, Mauro Albert

Em 1998, lança de forma independente seu primeiro trabalho solo: Inside, um disco instrumental com diversas influências como rock, jazz e new age, passando pelo blues e o clássico. Com shows e workshops viajou na divulgação por varias cidades brasileiras. Numa dessas viagens, descobre e se apaixona pela viola caipira. Parecia enfeitiçado; a viola o acalmava, alegrava, inspirava. . . Tinha descoberto o remédio para todos os males.Determinou-se a descobrir mais sobre o mundo daquele misterioso instrumento. Foram muitas as descobertas: modas, causos, toques e mestres.Todas as influências se fundiam às novas descobertas.As Modas,os toques, e os ponteados passaram a se misturar ao jazz, blues e a todos outros estilos. A improvisação era um grande tempero. Nasce em 2001 “A Viola e o Mar. . . ”, um disco eclético que navega pelo clima New Age, pelo sertão do Nordeste, passando pelo clima Pantaneiro e pelo frio do Sul, com direito à releitura de “Correnteza” de Tom Jobim / Luis Bonfá. A viola, violões, sons da natureza e instrumentos exóticos de percussão mostram um novo conceito. No ano de 2002, recebe o titulo de “Violeiro Revelação do Paraná", tornando-se músico oficial da academia de cultura do Paraná.
Guinha Ramires e Mauro Albert
  
Mauro Albert, Calegari, Brother e Tatá Cobbett.
 

A divulgação do CD “A Viola e o Mar. . . “, com shows, workshops e programas de TV, viajam por várias cidades do Brasil.  Como as viagens, os lugares e as pessoas sempre foram motivos de inspiração, novas concepções e composições começam a se formar.  Durante o Outono de 2003, um novo trabalho começa a ser gravado, uma concepção mais madura e definida com a participação de  grandes músicos: Carlos Paiva (violonista), Reginaldo Feliciano (baixista da banda de Almir Sater), Zeca e Tom (violão e acordeon da dupla Teodoro & Sampaio)  e a flauta peruana de Walter Osório. Com a característica eclética de todos seus trabalhos anteriores, as faixas do CD "TERRA" viajam por vários estilos musicais.  Ainda no ano de 2003 é reconhecido como revelação artística pela Academia de Cultura do Paraná.  Uma das principais fontes de inspiração sempre foi a natureza, a beleza do som dos pássaros, o som do mar e das matas. A preocupação com a destruição da natureza e do meio ambiente, sempre foi tema de suas composições. Voltado para a temática de preservação e conscientização do meio ambiente "O canto das cordas" , é o novo trabalho unindo o som  da viola a sons da natureza, alem do violão de 6 em afinações alternativas. Em shows e workshops, além de suas próprias composições, fazem parte do repertório releituras e homenagens a vários estilos e mestres  da música como Astor Piazzolla, Tom Jobim, Ary barroso, além, dos clássicos do jazz, música popular e música raiz ganham novas versões e  interpretações . Quebrando todas as barreiras e fronteiras entre estilos e concepções.  Seu toque de viola tem grande influência da música do sul, além dos ritmos tradicionais relacionados ao instrumento como:  Cururu, Pagode, Toada, Guarânia e Arrastá pé, estão sempre presente a Milonga, Chamamé, Chacarera, Tango e outros ritmos de fronteiras. Desenvolveu juntamente com o luthier Nilson De Mari o violalão, uma mistura da viola com o violão, com 10 cordas sendo 4 pares e 2 soltas,  Ultimamente tem realizado oficinas, aulas e shows pela região sul do país, dividindo a morada entre Florianópolis e Londrina tem o prazer de dividir  o palco com músicos como: Guina Ramires, Tatiana Cobbett, Marcoliva, Alessandro Kramer.
 

Downloads de Mauro Albert

Bica D´Agua
Pavio
Acabrunhado

 

A Casa dos Violeiros lhe deseja muito mais sucesso!

 

2018  Casa dos Violeiros